Diário de um missionário: foi na missão que Carol se sentiu mais perto de Deus
29/10/2020 08:36 em SERVIÇO DE ANIMAÇÃO MISSIONÁRIA

Por Enrico Sorilli

 

Do GAM Santa Teresinha (SP), Caroline Schmidt, missionária de 21 anos que participa das missões desde 2015 conta um pouco sobre suas experiências, dos momentos que enxergou Deus e fala sobre a importância da preparação para as semanas missionárias.

Quando perguntada como apresentaria a ação a alguém que não conhece a missão, Caroline respondeu: ” É uma semana que passamos em uma cidade diferente ou em São Paulo mesmo para atender a uma comunidade, conversar com as famílias, falar um pouco sobre Deus, brincar com as crianças à tarde e à noite fazemos uma celebração (missa, adoração ou terço) com a comunidade.”

Completou sua fala comentando dos momentos que mais a marcaram nas missões e que traz em suas lembranças e a incentivam a continuar na caminhada missionária, “O que mais me marcou foram os momentos de adoração eucarística, oratório com as crianças e as amizades que construí. Também uma casa em particular na missão de Monte Verde (MG) me marcou, estávamos em 3 missionários numa casa com uma idosa e várias crianças que não paravam de gritar, assim que começamos a rezar todas elas vieram quietinhas e deram as mãozinhas para rezar. Também foi muito marcante quando minhas afilhadas me chamaram para ser madrinhas delas, porque eu pude ter a confirmação de que todo o meu trabalho e dedicação valiam a pena e motivavam outras pessoas. Eu me vi sendo exemplo de novos missionários que antes eu nem conhecia e isso é muito gratificante”.

Schmidt enfatizou a importância de uma boa preparação antes da missão, além de entender como será a semana e que o objetivo principal esteja claro para todos, “O mais importante antes é estar disposto e preparado para acolher aquela pessoa que você não conhece, não necessariamente saber tudo sobre a Bíblia, mas sim ter empatia e compaixão para dizer uma palavra de amor e esperança para ela. Também acho importante participar das atividades do grupo, formações e saber como funciona a rotina para estar preparado”.

Finaliza contando das experiências que enxergou Deus nas semanas missionárias, “A primeira vez que eu me senti mais próxima à Deus foi na primeira missão. Minha fé mudou completamente, antes eu ia regularmente à igreja com os meus pais, mas não entendia muito e ia mais porque eles mandavam. Quando eu voltei passei a querer participar das celebrações, eu enxergava sentido naquilo. Vi Deus nas crianças que eu brincava e no grupo maravilhoso que me acolheu, e a cada missão eu vejo Deus nos sorrisos que a gente leva e na fé que as pessoas têm mesmo diante de todos os problemas”.

Foto enviada pela missionária

Foto enviada pela missionária

Foto enviada pela missionária

Foto enviada pela missionária

COMENTÁRIOS